Adyen processa volume recorde de US$ 90 bilhões em 2016

O ano foi marcado pelo lançamento da plataforma de adquirência no país e mais de 30 milhões de consumidores brasileiros alcançados

A Adyen aumentou seu volume global de transações para US$ 90 bilhões em 2016, um aumento de 80% em relação aos US$ 50 bi do ano anterior. Para este ano, a Adyen deve continuar crescendo na casa dos dois dígitos.
 
No Brasil, um dos principais mercados da Adyen no mundo, a empresa processou os pagamentos de 30 milhões de consumidores digitais, número que cresceu com a entrada da empresa na seleta lista de adquirentes do país, anúncio que ocorreu em outubro do ano passado. Entre os primeiros clientes que já adotaram o serviço de adquirência estão a 99 e a Hotmart, que integram uma carteira extensa de clientes inovadores, como Uber, Netflix, Airbnb e os maiores e-commerces do país.
 
"Atualmente, a oportunidade de oferecer soluções disruptivas e inovadoras em pagamentos é única em comparação a qualquer outro mercado no mundo", afirma Pieter van der Does, co-fundador e CEO da Adyen.
 
A Adyen é uma adquirente que já nasceu pensada para o e-commerce e processa pagamentos em uma plataforma totalmente integrada, combinando serviços de gateway, antifraude e adquirência. O resultado disso são compras mais seguras, rápidas, muito mais práticas e oferecendo inteligência de dados para obter aumentos de conversão com clientes em praticamente todos os países do mundo.
 
“Queríamos um adquirente que nos garantisse altas taxas de aprovação e escalabilidade e a Adyen garante este resultado, por isso, a escolhemos como parceira. Logo nos primeiros meses já houve um aumento de 5% no volume de transações aprovadas”, afirma Lucas Pimentel, gerente de finanças da 99.

Segundo Jean Christian Mies, vice-presidente sênior da Adyen para a América Latina, a empresa tem investido continuamente na entrega de soluções que, de fato, trazem crescimento de receita para os clientes, que reconhecem isso no aumento de conversão e na entrega de experiências únicas de pagamentos para seus consumidores finais. 

"Utilizando o escopo completo da nossa plataforma, conseguimos abrir a ‘caixa preta’ dos pagamentos para os nossos clientes e oferecer a eles o máximo de transparência, disponibilidade e insights baseados em grandes volumes de dados de forma granular", completa Mies.

Em 2016, a Adyen, que é rentável desde 2011, aumentou seu lucro e conquistou diversos novos clientes no mundo todo, como Etsy, LinkedIn, Skype e Twitter, e implementou a infraestrutura global de pagamentos omnichannel da Burberry, marca de luxo do Reino Unido. Além disso, a empresa seguiu disponibilizando novos métodos de pagamento locais em mercados-chave, incluindo o WeChat Pay (China) e o Oxxo (México), além de outros 250 métodos em uma única plataforma que cobre o fluxo de pagamento ponta-a-ponta.